Álvares de Azevedo

Álvares de Azevedo

Completa-se hoje 181 anos do nascimento de Manuel Antônio Álvares de Azevedo, ou simplesmente Álvares de Azevedo, como é mais conhecido. Patrono da Cadeira n. 2 da Academia Brasileira de Letras, é autor do clássico Noite na Taverna, que reúne contos fantásticos.

Álvares de Azevedo faleceu aos 20 anos. O escritor não testemunhou o sucesso de sua obra, que só foi publicada no ano seguinte de sua morte.

 
 

— Pois bem! quereis um historia? Eu pudera conta-las, como vos, loucuras de noites deorgia; mas para que? Fora escárnio Faust ir lembrar a Mefistóteles as horas de perdição que lidoucom ele. Sabei-las… essas minhas nuvens do passado, leste-lo à farta o livro desbotado de minhaexistência libertina. Se o não lembrásseis, a primeira mulher das ruas pudera conta-lo. Nessatorrente negra que se chama a vida, e que corre para o passado enquanto nos caminhamos para ofuturo, também desfolhei muitas crenças, e lancei despidas as minhas roupas mais perfumadas,para trajar a túnica da Saturnal! O passado é o que foi, é a flor que murchou, o sol que se apagou,o cadáver que apodreceu. Lágrimas a ele? fora loucura! Que durma com suas lembranças negras!revivam: acordem apenas os miosótis abertos naquele pântano! Sobreágüe naquele não-ser oeflúvio de alguma lembrança pura!

NOITE NA TAVERNA

 

Eu moro em Catumbi. Mas a desgraça
Que rege minha vida malfadada,
Pôs lá no fim da rua do Catete
A minha Dulcinéia namorada.

Alugo (três mil-réis) por uma tarde
Um cavalo de trote (que esparrela!)
Só para erguer meus olhos suspirando
À minha namorada na janela…
Todo o meu ordenado vai-se em flores
E em lindas folhas de papel bordado,
Onde eu escrevo trêmulo, amoroso,
Algum verso bonito… mas furtado.

Morro pela menina, junto dela
Nem ouso suspirar de acanhamento…
Se ela quisesse eu acabava a história
Como toda a Comédia em casamento…

Ontem tinha chovido… Que desgraça!
Eu ia a trote inglês ardendo em chama,
Mas lá vai senão quando uma carroça
Minhas roupas tafuis encheu de lama…

Eu não desanimei. Se Dom Quixote
No Rocinante erguendo a larga espada
Nunca voltou de medo, eu, mais valente,
Fui mesmo sujo ver a namorada…

Mas eis que no passar pelo sobrado,
Onde habita nas lojas minha bela,
Por ver-me tão lodoso ela irritada
Bateu-me sobre as ventas a janela…

O cavalo ignorante de namoros
Entre dentes tomou a bofetada,
Arrepia-se, pula, e dá-me um tombo
Com pernas para o ar, sobre a calçada…

Dei ao diabo os namoros. Escovado
Meu chapéu que sofrera no pagode,
Dei de pernas corrido e cabisbaixo
E berrando de raiva como um bode.

Circunstância agravante. A calça inglesa
Rasgou-se no cair de meio a meio,
O sangue pelas ventas me corria
Em paga do amoroso devaneio!..

NAMORO A CAVALO

 

Se eu morresse amanhã, viria ao menos
Fechar meus olhos minha triste irmã;
Minha mãe de saudades morreria
Se eu morresse amanhã!

Quanta glória pressinto em meu futuro!
Que aurora de porvir e que manhã!
Eu perdera chorando essas coroas
Se eu morresse amanhã!

Que sol! que céu azul! que doce n’alva
Acorda a natureza mais louçã!
Não me batera tanto amor no peito
Se eu morresse amanhã!

Mas essa dor da vida que devora

A ânsia de glória, o dolorido afã…
A dor no peito emudecera ao menos
Se eu morresse amanhã!

SE EU MORRESSE AMANHÃ

 
 

Obras de Álvares de Azevedo na BSP

 

Lira dos vinte anos

Lira dos vinte anos*

Lira dos vinte anos constitui o mais famoso livro de poesia de Álvares de Azevedo, este que é um dos nomes mais expressivos da segunda fase do Romantismo brasileiro, também conhecida Geração do Mal-do-século. Esta edição apresenta o texto integral desta obra, em que Álvares de Azevedo eleva o lirismo e o sentimentalismo às suas últimas conseqüências.

 
 

Noite na taverna

Noite na taverna*

Álvares de Azevedo escreveu Noite na Taverna durante os anos em que passou estudando na Faculdade de Direito de São Paulo. É uma obra estruturada em sete partes. Narrada em terceira pessoa, introduz o cenário, as personagens, a situação, dando lugar a outros narradores – cinco personagens que, em primeira pessoa, contam aventuras de suas vidas.

 
 

Poesias completas

Poesias completas

Este livro reúne toda a poesia do escritor romântico, inclusive materiais até agora inéditos. Foi preparada a partir do confronto com as primeiras edições por um especialista no romantismo brasileiro, o poeta e tradutor Péricles Eugênio da silva Ramos.

 
 
 
 
*Também na opção livro em braille.



Comentários

Deixe seu comentário

Todos os comentários estão sujeitos a aprovação